Mobilização marca nova rodada de negociação entre governo e FES - SindiSeab

Área Restrita - Efetue seu login

Encontre uma notícia

NOTÍCIAS


Decreto antissindical

Mobilização marca nova rodada de negociação entre governo e FES

Servidores/as públicos e funcionários/as dos sindicatos e associações de servidores/as do Paraná se mobilizaram na manhã desta sexta-feira.
07/02/2020

Com faixas e cartazes, os trabalhadores/as mostraram sua contrariedade ao decreto 3808/20, do governador Ratinho Jr. que promove uma desfiliação em massa, podendo gerar também a demissão de um grande número de funcionários de sindicatos e associações representativas do funcionalismo público.



O protesto ocorreu por ocasião da quarta rodada de negociações referentes ao decreto entre governo do Estado, de um lado, e representantes do Fórum das Entidades Sindicais (FES) e associações de servidores do outro, mediada pelo Ministério Público do Trabalho.



Desta vez, os técnicos do governo apresentaram a minuta de um novo decreto a ser publicado nos próximos dias para estender até 10 de março o prazo para a revalidação. O prazo anterior era 10 de fevereiro.



Os representantes do FES, como forma de agilizar a negociação rumo a uma solução de consenso, solicitaram aos representantes do governo uma reunião com o governador Ratinho Jr. De resto, como já havia sido reiterado na reunião anterior, a medida que estende a data por mais 30 dias é insuficiente para resolver o impasse. Os representantes dos trabalhadores exigem a revogação do decreto, ou, no mínimo, a sua suspensão. Nesse segundo caso, uma comissão paritária composta pelo governo e sindicalistas discutiria a medida para que fosse construída uma solução não prejudicial a sindicatos e às mais de 300 mil famílias de paranaenses afetadas pelo decreto.



Na próxima segunda-feira, nova reunião está marcada no MPT para que os servidores façam o relato das dificuldades que estão encontrando para realizar os procedimentos exigidos pelo governo. Isso porque, além do prazo exíguo, a burocracia exigida e problemas com o sistema de informática impedem que a maioria dos trabalhadores finalize o processo.



Fonte: FES






Notícias relacionadas