Congelar salários, promoções e progressões do serviço público é mais um desmonte do Estado - SindiSeab

Área Restrita - Efetue seu login

Encontre uma notícia

NOTÍCIAS


salário

Congelar salários, promoções e progressões do serviço público é mais um desmonte do Estado

A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), votará projeto que impede o reajuste salarial do funcionalismo público.
24/08/2020


A proposta do governador Ratinho Jr, que impede reajuste salarial e suspende a implantação e concessão de promoções e progressões dos(as) servidores(as) públicos(as) estaduais, até dezembro de 2021, está prevista para ser votada esta semana, na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Esta proposta está alinhada às intenções do presidente Jair Bolsonaro, que alega a necessidade de suspensão da concessão e implementação de vantagens, aumento, reajuste ou adequação de remuneração, a qualquer título, a membros de poderes ou órgãos, servidores, empregados públicos e militares. De acordo com texto do projeto, essa medida está prevista no Programa Federativo de Enfrentamento a Covid-19 mediante a Lei Complementar Federal n° 173, de 27 de maio de 2020.  A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), interrompe os reajustes e segue as diretrizes nacionais de enfraquecimento do serviço público. 





Caso a medida seja aprovada, também ficará suspensa a segunda parcela da reposição salarial da data-base de 2019. O índice é de 1,5% e o pagamento foi definido, em acordo com a categoria, para acontecer em janeiro de 2021. 





Como as reuniões dos(as) deputados(as) estaduais estão ocorrendo de forma on-line, a orientação dos sindicatos para os(as) servidores(as) é fazer pressão juntos aos(às) parlamentares utilizando as redes sociais, envio de mensagens por Whatsapp e e-mail, para pedir que a emenda do governador seja derrubada. 





Os(as) servidores(as) já acumulam uma defasagem que passa de 18% nos salários, devido a falta de pagamento das perdas da inflação dos últimos anos. Em 2019, para encerrar a greve do funcionalismo, Ratinho prometeu pagar apenas 5%, referente ao índice do período entre maio de 2018 e abril 2019, em três vezes, sendo 2% em janeiro deste ano e mais duas parcelas de 1,5%, nos meses de janeiro de 2021 e 2022. 





O SINDISEAB está encampando essa luta junto a todos os servidores e servidoras do Estado, acompanhe no site e nas nossas redes, divulgue nossa luta.







Notícias relacionadas